Entre as passas de um cigarro

Saturday, May 20, 2006

Pedaço de tempo


















Dentro de mim sou como o báu
Há séculos no sótão da casa da aldeia
Se me abro tanto cheiro a mofo-velho-papel-desfeito-pó
Como a relva-cortada-agora-na-última-foto-de-infância.

Afonso Albuquerque
(alter-ego)


Imagem: Baú do poeta Fernando Pessoa

2 Comments:

  • At 10:43 AM, Anonymous tatuagem said…

    Olá :-)

    Segue o teu destino,
    Rega as tuas plantas,
    Ama as tuas rosas.
    O resto é a sombra
    De arvores alheias.


    Ricardo Reis

     
  • At 3:36 PM, Blogger JGSC said…

    Não resisti a vir fumar um cigarro por aqui agora que estou de volta (finalmente) aos blogs... E aquilo que encontro (como não podia deixar de ser) é um post que acompanha na perfeição o fumo do cigarro a esvair-se... Bj**

     

Post a Comment

<< Home

 

eXTReMe Tracker